Clube News nº2

Outubro, 2010

Editorial

Caros (as) Associados (as),

Este número dois da “Newsletter” tem como objectivo estreitar a Vossa ligação ao ISCTE-IUL e dar-vos nota dos factos e das notícias mais relevantes ocorridas na vida do Clube.

“Mentoring”

Destacamos o entusiasmo que o Clube ISCTE colocou no recente protocolo de “Mentoring” celebrado com o NEG (Núcleo de Estudantes de Gestão), já anunciado aos Associados e cuja síntese poderá ser consultada no “site” do Clube. Sublinhamos igual interesse já manifestado pelos associados do Clube ao aderirem, em número significativo, a esta iniciativa.

Participação dos Associados

Neste quadrimestre o CLUBE ISCTE tem registado um número significativo de novas adesões a que não é, certamente, alheio o apelo que temos vindo a efectuar junto dos nossos Associados. O Clube também espera que os seus Associados participem nas actividades que desenvolve e que apresentem sugestões sobre iniciativas a empreender.

Eventos

Até final do ano iremos realizar dois eventos marcantes. Um Almoço Debate a ter lugar em Novembro, em data a anunciar oportunamente e um evento cultural – “LA SILPHYDE” no TNSC – Teatro Nacional de São Carlos a realizar em 4 de Dezembro, inserido nas comemorações do 38º Aniversário do ISCTE-IUL. Para este evento estão, desde já, convidados todos os Associados do CLUBE ISCTE.

Contacte-nos e visite a nossa sede.

Saudações Académicas

José Martinho Soares Barroso
Vice-Presidente da Direcção do CLUBE ISCTE

Artigo de Fundo

Autoria: José Paulo Esperança

Problema ou oportunidade?

O meu conhecimento de África é muito limitado. Passei duas semanas em S. Tomé em 1986 e fiquei fascinado por África. Algum tempo mais tarde era produzido o Out of Africa e, mesmo sem conhecer a savana, foi-me fácil perceber a mística do filme. Para além disso só conheço Luanda e Maputo num raio que não excede os 2 km em qualquer das cidades, quase sempre de carro e com motorista. De Cabo Verde conhecia a ilha de S. Vicente, razoavelmente, mas o Mindelo é uma cidade cosmopolita, berço de Cesária Évora e de Bau, que atrai imensos melómanos estrangeiros.

Quando se confirmou que esta edição do curso que leccionamos em conjunto com o ISCEE tinha lugar na cidade da Praia fui alertado para uma realidade mais complexa. Muitas casas estão inacabadas, o ordenamento urbano deixa muito a desejar, com prédios ao lado de vivendas ou a roubar-lhes a vista do mar, como se isso fosse um bem escasso. As estradas são construídas com paralelepípedos de pedra em vez de alcatrão e provocam imensa vibração. Também não era exactamente necessário estar numa capital africana para encontrar um nível de planeamento urbano deficitário ou estradas de piso incómodo. Não tenho a certeza que qualquer destas características seja exclusivamente mérito local. Por outro lado a cidade é pobre e caótica e somos constantemente assediados por pedintes e miúdos que insistem em nos lavar o carro a troco de uns escudos.

Não tive muita oportunidade para um contacto directo com o estilo de vida local. No primeiro dia fui jantar ao Poeta, um dos restaurantes de maior nomeada da cidade da Praia e, quando esperava comer sozinho, encontrei um antigo colega de turma que integrava uma equipa de empreendedores com uma visão muito positiva do potencial de desenvolvimento de Santiago. Os dias seguintes foram muito ocupados com o curso e fui acompanhado pelos participantes e organizadores.

Quando baixei drasticamente a guarda foi no Sábado, após uma aula mais comprida, que decorreu durante toda a manhã. Sentia-me com disponibilidade e interesse em conhecer melhor a culinária e estilo de vida local, de preferência indo a um restaurante frequentado predominantemente pelos habitantes da cidade da Praia.

Estacionei em frente ao restaurante Beramar-Grill-PexediTerra, não duvidando da origem marítima do peixe. Ali não há, de certeza, peixe de rio. Fui imediatamente abordado por um jovem dos seus 18 anos que me perguntou se podia lavar o carro. Confesso que não fiquei muito à vontade porque tinha o portátil, com toda a documentação, em ficheiros e papel, na pasta respectiva, no lugar ao lado do condutor. No entanto, acedi e vi o serviço móvel de limpeza levantar os limpa pára-brisas do carro e partir com um grande balde vazio à ilharga. Penso que os limpa pára-brisas levantados são uma espécie de bandeira que assinala aos numerosos concorrentes que aquele cliente já está a ser servido.

Sentei-me na esplanada com vista para o mar e encomendei um Peixe – Serra grelhado, uma opção muito aceitável. A refeição chegou ao mesmo tempo que o especialista das limpezas que começou por lavar os vidros e a parte exterior do carro. No entanto, quando voltei a olhar, as portas estavam todas abertas e os tapetes mergulhados no balde para serem postos ao Sol logo de seguida. Tinha carregado mal no comando electrónico da chave e o carro ficara aberto …

Confesso que senti algum pânico, mas mantive-me estoicamente a acabar a minha refeição. Só passado um bocado fui casualmente acompanhar a árdua tarefa e dizer que também não era preciso tanto rigor – eu até nem tinha pensado na limpeza de interiores. Mas deixei ficar o computador onde estava.

Por agradável coincidência os tapetes ficaram enxutos exactamente quando eu estava a tomar café. Dirigi-me ao carro e perguntei quanto é que devia pela limpeza. “São 300 escudos (cerca de 3 euros porque o escudo de lá vale o dobro do nosso antigo escudo) porque lavei o carro por fora e por dentro. Como pode ver, a sua pasta está no mesmo sítio. Da próxima vez, não se esqueça de trancar o carro!”

Quando analisamos os rankings de acordo com a sua atracção do investimento estrangeiro, os países africanos vêm quase sempre no fundo da tabela. Talvez com alguma injustiça e falta de visão é vulgar considerarmos que esta situação é irreversível. Como Jeffrey Sachs, economista de Harvard, tem vindo a afirmar nas últimas duas décadas, o Continente Africano ainda vai tornar-se uma surpresa muito interessante. O problema é que, geralmente, só nos apercebemos quando as oportunidades já foram exploradas.

José Paulo Esperança
Pró-Reitor do ISCTE-IUL para as Relações Internacionais

Nós e o ISCTE

Comunicado do Reitor do ISCTE-IUL

Caros Alunos, ex-Alunos, Professores e Funcionários,

Terminadas as candidaturas para o ano lectivo de 2010/2011, tenho o maior prazer em informar a comunidade ISCTE-IUL, que este foi o melhor ano de sempre no que se refere a ingressos:

  1. Nas licenciaturas fomos a única universidade do país a preencher 100% das vagas incluindo o ensino pós-laboral. Acresce a este facto que o nosso numerus clausus aumentou este ano em 9% de 1040 para 1135.
    As notas do último colocado subiram também na grande maioria dos cursos. Na 1ª fase a média do último colocado em cada um dos nossos 20 cursos de licenciatura foi de 135,55. Na 2ª fase subiu para 143,79.

  2. Nos cursos de 2º ciclo (Pós-graduação, Mestrado Executivo e Mestrado) matricularam-se 2105 alunos no 1º ano, o que representa um aumento de 8,4%.

    Neste âmbito, é de assinalar ainda que 7 destes cursos decorrem inteiramente em língua inglesa e são frequentados por um número razoável de estudantes estrangeiros.

    Para além destes estudantes, o ISCTE-IUL está a receber cerca de 350 estudantes por ano, só no programa ERASMUS, o que representa possivelmente o mais elevado ratio de ERASMUS da Universidade Portuguesa. Nos diferentes programas (curta, média e longa duração) passam pelo ISCTE-IUL perto de 1000 alunos estrangeiros cada ano, provenientes de mais de 30 países.

  3. Nos doutoramentos, aumentámos também o número de inscritos no 1º ano frequentando este grau cerca de 500 alunos. Na totalidade o ISCTE-IUL tem hoje 8000 alunos (cerca de 3500 são de 2º e 3º ciclos).

Queria agradecer à Comunidade o envolvimento que tem tido com o ISCTE-IUL e apelar a todos que reforcem ainda mais a credibilidade da nossa instituição nas funções que desempenham e nos múltiplos contactos que estabelecem no seu dia a dia. Creio que há cada vez mais razões para nos orgulharmos da nossa universidade.

Aos ex-alunos, reforço esse apelo para que se liguem de novo ao ISCTE, particularmente integrando o CLUBE-ISCTE (clube@iscte.pt).

Saudações Académicas,
Luís Antero Reto
Reitor

ISCTE–IUL organiza maior conferência mundial sobre complexidade

Um mundo complexo repleto de problemas por solucionar foi o mote para a Conferência Europeia sobre Sistemas da Complexidade (ECCS’10, do Inglês - European Conference on Complex Systems, que decorreu no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa entre 13 e 17 de Setembro.

A conferência reuniu especialistas das mais diversas áreas do conhecimento, de reputadas universidades mundiais, para discutir a complexidade do mundo global, sendo esta já considerada a maior conferência a nível internacional sobre Complexidade. No evento, foram debatidos temas tão diferentes como: física, tecnologias da informação, neurologia, redes sociais, finanças e dança.

O ECCS’10 foi organizado pelo Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação do ISCTE-IUL, e reuniu alguns dos melhores especialistas das Ciências da Complexidade. Sistemas da Complexidade é uma área de tradição no ISCTE-IUL, quer no campo da investigação, quer no ensino especializado, designadamente no Mestrado em Ciências da Complexidade.

Entre os conferencistas, destaque para Christoph von der Malsburg considerado pela comunidade científica como um arquitecto da mente. Este investigador do Instituto de Estudos Avançados de Frankfurt tem-se notabilizado pelo estudo da computação neurobiológica e dos processos cognitivos relacionados com a aprendizagem, memória e visão.

De Portugal, referência para o Professor José Fernando Mendes da Universidade de Aveiro, investigador que irá desenvolver o princípio de que "popularidade é atractiva", ideia fundamental na organização das actuais redes sociais e neurológicas.

Participou, também, Didier Sornette, especialista em complexidade financeira. Uma apresentação crucial num período tão conturbado da economia mundial. Este especialista é reconhecido por ser um defensor da aplicação urgente de ferramentas interdisciplinares para a previsão de crises financeiras. E porque 2010 tem sido fragilizado por vários terramotos, este cientista irá também abordar algumas das respostas científico-financeiras para os desastres naturais.

Da área da arquitectura esteve presente Carlo Ratti, arquitecto italiano, actual director do MIT SENSEable CityLab do Instituto de Tecnologia Massachusetts desde 2004. Ratti tem-se destacado por desenvolver um inovador desenho da cidade do futuro em função das redes sociais. Este orador apresentou o conceito de “cidade em tempo real”, no qual os sensores e os dispositivos electrónicos portáteis estão a permitir uma nova abordagem na concepção de desenvolvimento urbano. Mas Ratti não se limita à arquitectura. Durante a Cimeira de Copenhaga apresentou um protótipo desenvolvido pelo MIT de uma bicicleta que mede o nível de poluição.

Final do ISCTE-IUL MIT- Portugal Venture Competition

ISCTE-IUL e MIT seleccionaram os quatro projectos mais inovadores de Portugal

Enquadrado no programa ISCTE-IUL MIT Portugal Venture Competition, decorreu no passado dia 1 de Outubro, no Grande Auditório do ISCTE-IUL, a cerimónia de entrega dos prémios aos quatro projectos mais inovadores de Portugal. Estavam seleccionados os quatro projectos vencedores e as quatro menções honrosas do concurso internacional de empreendedorismo e inovação - Caixa Empreender +, promovido pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, em parceria com o MIT (Massachusetts Institute of Technology), o Deshpande Center for Innovation, a Sloan Business School e a Caixa Capital (Grupo Caixa Geral de Depósitos). Os vencedores foram anunciados nesse dia pelo Senhor Secretário de Estado do Ministério da Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor, durante a cerimónia oficial que decorreu no ISCTE-IUL. No total, as equipas irão beneficiar de apoios financeiros até 1 milhão de euros.

  • Na categoria de Ciências da Vida, o projecto vencedor foi o PLUX. A equipa constituída por Hugo Gamboa, Filipe Silva, Hugo Silva e Rui Falcão, apresentou uma solução de fisioterapia (bioPLUX clinical) que ajudará as pessoas que sofrem de disfunções, libertando-as do recurso diário a clínicas de fisioterapia.

  • Na categoria de Sistemas Sustentáveis de Energia e Transporte, a Waynergy, um projecto de Francisco Duarte e Filipe Casimiro, foi aquele que mais se destacou. Esta equipa concebeu uma solução que aproveita o movimento linear de uma superfície para accionar um dispositivo de tecnologia electromagnética e assim gerar electricidade.

  • Na categoria de Internet e Sistemas de informação, a grande vencedora foi a equipa constituída por Diana Almeida, Susy Vasconcelos, Maria Ferraz e Roberto Colazingari. O seu projecto, Bips, consiste num sistema de posicionamento em espaços interiores por bluetooth, que permite seguir pessoas, traçar rotas, tempos e tendências, de modo automático.

  • Finalmente, na categoria de Outros Produtos e Serviços, venceu o projecto Weadapt.eu de Miguel Carvalho, Carla Lopes, Susana Ralha, Carla Lopes e Teresa Carvalho. Esta equipa desenvolveu um conjunto de produtos, como vestuário, próteses estéticas e dispositivos de reabilitação, para pessoas com necessidades especiais.

O júri atribuiu ainda quatro menções honrosas, uma por cada área, aos projectos Accelera, PV Solutions, Aires e Aromase, pelo seu carácter inovador e potencial de criação de valor a partir de uma base tecnológica. Estas equipas beneficiarão de um acesso directo ao parceiro de capital de risco, a Caixa Capital, com o qual poderão apresentar e discutir os seus projectos de uma forma privilegiada.

A cerimónia da grande final decorreu no passado dia 27 do corrente mês, no Grande Auditório do ISCTE-IUL, tendo sido o projecto BIPS o grande vencedor, o qual se integrava na categoria de Internet e Sistemas de Informação.

Concurso promove empreendedorismo e inovação em Portugal

Esta primeira edição do ISCTE-IUL MIT-Portugal Venture Competition recebeu um total de 95 candidaturas e envolveu mais de 360 participantes. O período de candidaturas decorreu de Março a Junho de 2010 e esteve aberto à comunidade de estudantes, a investigadores e tecnólogos de qualquer área, a Politécnicos e Universidades e a outras instituições, públicas ou privadas. Concorreram ainda empreendedores com start-ups dedicadas exclusivamente ao desenvolvimento de projectos empresariais de base tecnológica, seja de produtos ou serviços, desde que tenham sido criadas para o efeito há menos de 5 anos.

Criado para premiar projectos de cariz tecnológico, oriundos de qualquer país, que revelem uma forte componente inovadora, capacidade de gestão da equipa promotora e potencial para abarcar mercados globais, este concurso insere-se no protocolo de colaboração celebrado em 2010, entre o ISCTE-IUL e o MIT-Portugal, com vista a criar um centro de competências na área do empreendedorismo de base tecnológica.

Para Luís Reto, Reitor do ISCTE-IUL, “este prémio foi concebido de uma forma inovadora, de maneira a colocar um grande ênfase no pós-prémio, nomeadamente através da criação de condições propícias à projecção global das empresas seleccionadas. Com isso pretende-se abrir novas fronteiras aos projectos candidatos ao prémio, ou seja, potenciar a internacionalização dos projectos vencedores desde a sua criação, através do contributo dos membros do júri internacional e das redes de informação globais. Desta forma, os projectos irão ser orientados para mercados verdadeiramente globais via redes de colaboração entre o MIT e Portugal e por esse motivo estão já a atrair o interesse de investidores estrangeiros em projectos de capital humano executados em Portugal”.

GIRA 2010 – GOVERNANCE, INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Teve lugar, nos dias 9 e 10 de Setembro de 2010, a conferência global GIRA2010 – Governance, Inovação e Responsabilidade Social e Ambiental, organizada pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, a sociedade de advogados Cuatrecasas, Gonçalves Pereira, a CPADA - Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente e o Audax – Empreendedorismo e Empresas Familiares.

Em que medida é que as empresas, os universitários e a sociedade civil conseguirão mobilizar-se e substituir-se aos Estados, com claras dificuldades em tomar decisões concretas, como aconteceu no final de 2009 na Cimeira de Copenhaga? A tentativa de integrar estas três dimensões - empresas, os universitários e a sociedade civil - constitui uma aposta pioneira desta conferência global.

A GIRA 2010 pretendeu, por um lado, ser um observatório do que se faz no mundo empresarial, académico e civil, em matéria de Governance, Inovação e Responsabilidade Social e Ambiental e, por outro, mobilizar as grandes empresas para, através do debate, da troca de ideias e de experiências, extrair conclusões, nomeadamente, sobre dois temas macro e de especial interesse para Portugal – as energias alternativas e os oceanos. O objectivo último é que essas conclusões sirvam como rampa de lançamento para políticas e práticas futuras nestes sectores.

A GIRA 2010 teve, assim, três objectivos principais:

- Colocar Portugal no centro de discussão internacional em matéria de desenvolvimento sustentável;

- Atrair investimento, em especial nas áreas das energias e dos oceanos;

- Promover o debate e a troca de ideias, entre pessoas de diferentes nacionalidades e sectores, extrair conclusões e fazer o follow up até à próxima conferência GIRA 2012.

Uma das principais apostas da GIRA2010 era a internacionalização, tendo conseguido envolver um relevante painel de oradores, quer nacionais quer internacionais.

CLUBE Solidário


BOLSAS DE ESTUDO

O CLUBE ISCTE está envolvido, juntamente com os Serviços de Acção Social e da Associação de Estudantes, no projecto de regulamentação e no debate sobre a atribuição de Bolsas de Estudo a alunos carenciados ou com dificuldades financeiras graves.

Ainda neste âmbito, a Direcção do CLUBE ISCTE deliberou conceder uma bolsa de 1.000,00€ ao melhor aluno do Curso de Especialização Tecnológica em Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação, na condição de que o mesmo se inscreva no 1º. Ano da licenciatura do ISCTE–IUL. O referido valor destina-se a pagar as respectivas propinas anuais.

SUMÁRIO

EDITORIAL

ARTIGO DE FUNDO

NÓS E O ISCTE

CLUBE SOLIDÁRIO

NOTÍCIAS

AGENDA DE EVENTOS

Parceiros

HPP
BP
Teatro Nacional São Carlos
Pousadas de Portugal

Patrocinadores

ISCTE
BPI
Santander Totta
CCA
Caixa BI
BDO
Efacec
KPMG
Liberty Seguros
RH MAis

Agenda de Eventos

Novembro, 2010

2º Almoço-debate 2010

4 de Dezembro, 2010

O CLUBE ISCTE, por ocasião do 38º aniversário do ISCTE-IUL irá organizar no próximo dia 4 de Dezembro, no Teatro Nacional São Carlos um espectáculo cultural.

Trata-se da apresentação do Bailado "LA SYLPHIDE", pela CNB, com interpretação ao vivo da Orquestra Sinfónica Portuguesa com direcção musical de Osvaldo Ferreira.

Facebook

O CLUBE ISCTE já está no Facebook. Visite-nos, quer através do acesso directo, quer do site do CLUBE.

www.facebook.com/pages/Lisbon-Portugal/Clube-ISCTE/227300876056

Espaço CLUBE ISCTE

O CLUBE ISCTE dispõe de instalações adequadas para a realização de eventos de natureza variada, em condições privilegiadas, designadamente workshops, almoços e/ou jantares de antigos alunos. Nos últimos meses efectuaram-se alguns desses eventos e estão agendados mais 2 jantares de curso de antigos alunos. Convidamos os Associados a contactarem o CLUBE para a realização de jantares de curso ou outros eventos.

clube.iscte.pt/contactos.php

Av. das Forças Armadas
Edif. do ISCTE - ALA AUTÓNOMA - Piso 4
1649-026 Lisboa

Telef: 21 7903091
Telem: 93 4283241

Email: clube@iscte.pt
Web: clube.iscte.pt

Recebeu esta mensagem por estar inscrito na e-mailing list do CLUBE ISCTE.
Se não a deseja receber solicite a remoção do seu e-mail aqui.





© 2010 CLUBE ISCTE Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Infinidata